Execução na Era Pós-Digital – Cultura e Tecnologia

O impacto da cultura e tecnologia na execução

A série Execução na Era Pós-Digital se propôs a responder como aumentar as chances de sucesso nos dinâmicos dias atuais. No primeiro post ficou claro que precisamos aproximar as estratégias ao mundo real e transformar objetivos organizacionais em ações práticas. A execução baseada em Regras Simples foi a solução adotada por uma série de iniciativas que ilustraram o texto.

A adaptação foi o tema central do segundo post. Utilizando conceitos da Evolução Natural das Espécies, tentamos nos apoiar em Darwin para transformar nossas organizações em Máquinas de Sobrevivência, que possuem maior longevidade, fecundidade e fidelidade. Já, no texto anterior,  o foco foi o aprendizado. Para prosperar, precisamos entender rapidamente o que funciona e diminuir as incertezas, por isso, discutimos algumas ferramentas de Experimentação.

Hoje,  vamos fechar essa série buscando mais informações sobre dois pontos que influenciam diretamente a execução e definem os vencedores da Era Pós-Digital: A Cultura e a Tecnologia.

Continue lendo Execução na Era Pós-Digital – Cultura e Tecnologia

Execução na Era Pós-Digital – Experimentação

Desenvolvendo a cultura de aprendizado contínuo por meio da experimentação

No terceiro post da série Execução na Era Pós-Digital vamos abordar algumas ferramentas de experimentação, testes que ajudam a diminuir a incerteza, enxergar oportunidades e que trazem ainda a possibilidade de nos adaptarmos mais rápido às necessidades internas e externas da nossa organização.

“Nós costumávamos pensar que negócios eram puramente execução. Mas agora, entendemos que, na maioria dos casos, não é apenas isso. Trata-se também de indagação; e a distinção entre indagação e execução é o objetivo da experimentação, que busca verificar se realmente entendemos nossos clientes, nossas ofertas e a totalidade do nosso modelo de negócios”

Steve Blank

Continue lendo Execução na Era Pós-Digital – Experimentação

Execução na Era Pós-Digital – Darwin, CEO

O que a evolução natural das espécies pode nos ensinar sobre adaptação empresarial?

No post anterior, exploramos como Regras Simples podem diminuir a distância entre estratégia e execução, ao mesmo tempo que conferem autonomia para os integrantes de um time. O objetivo do post de hoje é entender o que fazer para nos adaptar ao meio de complexidade e incertezas de uma Era em que a mudança é a única constante. Para isso, ninguém melhor para iniciarmos essa conversa do que Charles Darwin.

Continue lendo Execução na Era Pós-Digital – Darwin, CEO

Execução na Era Pós-Digital – Regras Simples

Diminuindo a distância entre estratégia e execução

Já discutimos que na Era Pós-Digital, a única constante é a mudança. Vivemos em um cenário de extrema complexidade e incertezas sobre o futuro, o que resulta em três sintomas: (1) nossa capacidade de planejamento se tornou limitada, (2) reagir a mudanças é insuficiente se quisermos garantir nosso espaço e (3) as Teorias de Administração ou estratégias tradicionais oferecem soluções incompletas para nos adaptarmos aos desafios de hoje.

Por isso, pesquisei um pouco sobre as soluções que algumas pessoas e empresas estão encontrando para garantir a execução exitosa de seus projetos e como podemos nos adaptar mais rápido. Esse e os três próximos posts trarão o que encontrei ao pesquisar e refletir sobre Execução na Era Pós-Digital.

Continue lendo Execução na Era Pós-Digital – Regras Simples

Autoconhecimento na Prática

Autoconhecimento: Sabedoria para saber a diferença…

Recentemente tive uma conversa com colegas sobre o excesso de pressão que colocamos sobre nós mesmos no trabalho. Queremos nos destacar em tudo o que fazemos, superar expectativas e, principalmente, não errar nunca. Não foi necessária muita reflexão para saber que isso não é possível, afinal, algumas coisas estão fora do nosso controle. Nesse momento, aquela famosa oração, escrita por Reinhold Neibuhr, veio à tona: “…serenidade para aceitar as coisas que não posso mudar, coragem para mudar as que posso e sabedoria para saber a diferença.”.

Ficou muito claro para todos os envolvidos naquela discussão que a serenidade da aceitação e a coragem da mudança seriam ingredientes fundamentais para equilibrar melhor as pressões que colocamos sobre nossos ombros. A parte mais difícil seria adquirir a tal sabedoria necessária para saber a diferença entre eles.

Continue lendo Autoconhecimento na Prática

Lógica Simbólica 3

Desvendando a Lógica Simbólica

O primeiro post sobre Lógica Simbólica foi escrito há mais de 2 anos, na ocasião, utilizamos um conceito da ficção, proposto por Isaac Asimov, para concluir que todo tipo de conteúdo tem uma mensagem primordial, que pode estar ingenuamente perdida ou maliciosamente oculta: 

…seja como transmissor ou receptor, entenda que a palavra é apenas um meio e o enredo um caminho, o grande valor de qualquer conteúdo pode estar resumido a uma única mensagem, solitária e dispersa, esperando que você a desvende.”

Continue lendo Lógica Simbólica 3

Inibidores da Inovação

Os obstáculos do processo inovador e da criatividade

A constante transformação do mundo em que vivemos fez com que a inovação se tornasse uma importante aliada das empresas e profissionais. Já discutimos que o processo inovador se assemelha a uma ciência e possui seus métodos e ferramentas para que ultrapasse a condição de mero modismo. O objetivo do post de hoje é justamente entender suas forças contrárias, aquelas que inibem a inovação, limitam o processo criativo e impedem as pessoas de propor ideias.

“Acredito que a maioria das pessoas não esteja sequer perto de realizar seu potencial criativo. Os indícios casuais sugerem que diversas empresas ainda têm um longo caminho a percorrer para remover as barreiras contra a criatividade”

Philip Kotler e Trías de Bes

Continue lendo Inibidores da Inovação

As ferramentas e insights de um jovem executivo em busca do sucesso.