O Filtro da Vida

Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on FacebookShare on Google+

Todos os conceitos se resumem a pontos de vista.

Na última semana, a cor de um vestido foi um dos assuntos mais comentados ao redor do mundo. Afinal, é muito curioso observar que pessoas veem cores diferentes na mesma imagem.

O assunto fica ainda mais interessante do ponto de vista científico, com a afirmação de que as cores simplesmente não existem. O que vemos é apenas o reflexo de uma das frequências de luz que o objeto observado não é capaz de absorver. Nosso cérebro, então, interpreta essa frequência criando a imagem colorida. Esse filtro é baseado num grande acervo mental construído por experiências ao longo de toda vida.

Mas será que esse processo de interpretação se aplica a todos os sentidos ou somente à nossa visão?

Um homem nascido em 490 anos antes de cristo, mesmo com todas as limitações da época, já entendia que não. Ele dizia que “O homem é medida de todas as coisas”, Protágoras sabia que tudo era relativo e dependia da perspectiva de cada um. Um de seus exemplos mais práticos era: Se um visitante sueco vai à Atenas na primavera, vai afirmar que o tempo está quente, já um visitante do Egito afirmará que está frio e, apesar das opiniões contrárias, ambos estarão falando a verdade.

Hoje, a Psicologia Cognitiva estuda esse fenômeno, fundamentado em como o cérebro de cada indivíduo processa as informações passadas por seus sentidos, como a velha história do copo que parece meio vazio para alguns e meio cheio para outros (ou se o Prot veio ou não de K-PAX).

Este conceito pode facilitar muito nossas relações, seja com amigos, familiares, clientes ou funcionários. Quem nunca observou desavenças por duas pessoas terem conclusões absolutamente diferentes sobre o mesmo assunto? Quantos negócios foram desfeitos ou inimizades foram criadas por uma busca ilógica de consenso?

Outra aplicação prática se refere aos nossos problemas. As dificuldades não possuem uma escala intrínseca de intensidade, somos nós que a atribuímos, de acordo com nossa própria experiência e capacidade de interpretação dos fatos.

Até sua percepção sobre o passado pode mudar, quando seu filtro ou cognição sofrer algum ajuste.

Portanto, não se contente em respeitar as diferenças, aprenda com elas, é o seu acervo mental que pode estar limitado. Reflita sobre suas ações e, por favor, seja maior que seus problemas.

Referências: O Livro da Filosofia, diversos autores 2011.  O Livro da Psicologia, diversos autores 2012. A cor não existe: o que você vê é luz, disponível em: http://hypescience.com/a-cor-nao-existe-o-que-voce-ve-e-luz/, acesso em: 01/03/2015. A Ciência das Cores, disponível em: http://www.invivo.fiocruz.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1095&sid=9, acesso em: 01/03/2015

Quem leu esse post, acessou também:

Email this to someoneTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on FacebookShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *