Kaizen

A importância do desenvolvimento pessoal contínuo.

Apesar de ainda estar em início de carreira, já passei por algumas provações. Foram duas faculdades, uma pós-graduação e muitos cursos de extensão, aprendi outros dois idiomas e principalmente sempre busquei muita informação. Quando comecei em minha empresa atual, como vendedor, tracei a meta de ter uma promoção por ano até me tornar executivo e, felizmente, com muito comprometimento, consegui.

Mas esse post não é para lhe falar sobre superação, determinação ou coisas do tipo, é para lhe fazer um alerta, para que sua dedicação nunca diminua.

Algumas vezes, trabalhei com pessoas que não se sentiam capazes ou merecedoras de alcançar novos patamares, que não traçavam objetivos ou não tinham entusiasmo suficiente e, ainda, aquelas que simplesmente não queriam prosperar.  Em algumas dessas ocasiões, percebi que para me destacar, precisaria apenas fazer o meu trabalho, nada além disso. Ao adotar essa postura, parei no tempo e perdi boas oportunidades de desenvolvimento.

Certa vez, na palestra do filósofo Mário Sérgio Cortella, ouvi uma frase que resume bem essa situação: “o animal satisfeito dorme”. Isso me fez perceber o perigo da falta de competitividade e da grande barreira que o comodismo pode trazer.  Você já deve ter passado por alguma situação em que estava “satisfeito” com o seu trabalho, fazendo apenas o que lhe é demandado e de repente, de um dia para o outro, entra alguém novo em sua área, muito motivado, com experiência, diversos cursos de especialização, vivência internacional, passagem por grandes empresas, participação em projetos relevantes e, ainda por cima, mais jovem que você. A sua reação é negativa, afinal, certamente perderá espaço e despertará a horrível sensação de que você não deveria ter ficado tanto tempo parado.

O ponto positivo é que esse novo colega pode, na verdade, ser o catalizador da sua mudança, pode ser o que faltava para lhe fazer se sentir um aprendiz novamente. É claro que você vai precisar de muita humildade para admitir que tem algo a aprender com alguém que acabou de chegar, mas muitos de nós somos movidos pela competição e, enquanto ela for saudável, você tem mais é que aproveitar essa energia extra.

Se não tiver a sorte de ter competidores com as mesmas ambições que as suas, a solução é desafiar a si mesmo, trabalhar por uma evolução contínua, esquecer dos acomodados e superar-se a cada dia, travando um verdadeiro duelo com o seu passado. Esse pode ser o caminho mais difícil, mas se tiver êxito, terá a invejável capacidade de se manter motivado em qualquer cenário.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *