A Carreira Executiva e seu principal adversário

O que muda de verdade quando iniciamos a carreira executiva

Alguns anos atrás, estipulei uma meta: iniciar a carreira executiva antes dos 30. O que poderia ser apenas um mero desafio pessoal, me ajudou a manter o foco para conseguir atingir esse objetivo. Essa transição mudou completamente meu trabalho, muito mais do que eu esperava. Há um ano, comentei alguns aspectos básicos que julgo importantes para a gestão de carreira. Hoje vamos falar sobre as principais mudanças da função executiva. Antes, vale um aviso: esse não é um conto de fadas.

Velocidade x Constância:

A velocidade em que as promoções aconteciam, sempre foi uma de minhas preocupações. Além de metas de idade, como a citada acima, estipulava muitas outras, como ter uma promoção por ano, por exemplo. Esse planejamento, certamente, me fez ser mais comprometido com essa corrida, entendia os resultados que precisava atingir e em quais áreas precisava me desenvolver para estar pronto para o próximo passo.

Hoje, não penso tanto em encurtar o período entre uma promoção e outra, mas em aproveitar ao máximo esse tempo. A qualidade da jornada e a constância de desenvolvimento se mostram cada vez mais importantes nessa nova fase. Afinal, a complexidade dos cargos gerenciais e executivos não acolhem a imaturidade, é preciso estar preparado para dar o próxima passo, pois ninguém terá muito tempo para lhe ajudar a fazer o seu trabalho.

Lidando com os problemas

A ascensão rápida pode ser uma grande armadilha para a carreira executiva, eu já passei por isso e o meu desenvolvimento precisou ser muito mais estressante do que o natural. Para piorar, tentei me esconder atrás da situação, afirmando para mim mesmo que fora promovido cedo demais e por isso não estava preparado para executar minha função com eficiência.

Apesar de trazer conforto, direcionar a responsabilidade para terceiros me privou de grandes oportunidades de desenvolvimento. Pode parecer contra intuitivo, mas quanto mais problemas formos capazes de administrar, maiores as chances de sucesso e essa foi uma das principais lições que aprendi como executivo.

Aprenda a lidar com os seus problemas, as pessoas podem até entendê-los, mas eles continuarão sendo seus. Um bom exercício é perguntar, todos os dias, o que você poderia ter feito de diferente para ser mais produtivo no dia anterior e aplicar essa lição na sua rotina.

Não desistir

Quando não conseguimos lidar com nossos problemas, acabamos desistindo dos nossos objetivos. Isso pode se manifestar por meio de um óbvio pedido de demissão, por exemplo. Vejo muitas carreiras sendo desperdiçadas por pessoas que entendem que desistir da empresa sempre é a melhor opção e acabam pulando de emprego em emprego, eliminando qualquer possibilidade de ganhar maturidade em um cargo ou setor. Tome muito cuidado com essa escolha, tenha certeza de que suas angustias são reais.

Ainda existe uma possibilidade pior, que é o conformismo. Desistir dos seus sonhos e continuar fazendo a mesma coisa, pode causar estresse, ansiedade e até depressão. Ben Horowitz afirma que uma das principais características em comum de pessoas de sucesso é não terem desistido. Isso é absolutamente notável em qualquer organização. Não conheço um executivo bem sucedido sequer, que não tenha uma história de superação.

Tempos de Guerra x Tempos de Paz

Não dá pra ter a mesma estratégia e postura o tempo todo, se você for um bom profissional quando as coisas estão bem, pode ser péssimo quando as coisas forem mal e o contrário também é verdade. Existem momentos em que tudo parece dar certo, os resultados saem  e as coisas acontecem naturalmente. Se você adotar uma postura de guerrilha nesses casos, vai acabar exagerando e perdendo muitas oportunidades. Agora, se estiver tranquilo demais quando o caos está instaurado, será engolido. Se não souber se adaptar com agilidade à situação, vai ficar para trás.

Serenidade

Não se engane quando pensar em tempos de guerra e tempos de paz. A situação muda de um dia para o outro, dependendo do seu desempenho. É preciso manter a serenidade para encontrar as melhores soluções. O humor do executivo costuma ter forte correlação com os resultados, afinal, a pressão é muito maior. Isso pode atrapalhar seus relacionamentos dentro e fora da empresa, se não for bem administrado. A verdadeira batalha, como dizia James Stockdale é travada dentro de sua cabeça.

Meritocracia

Diferentemente do que aprendemos na escola, no círculo familiar ou até no início da vida profissional, é preciso conquistar seu espaço antes de receber os louros. Ninguém te aplaude por ter participado, você está lá para ganhar, o tempo todo. Não espere que alguém te acolha e te diga quão especial você é antes de entregar resultados. A meritocracia é muito mais evidente, seu bônus depende do seu resultado e sua carreira também. Não se vitimize, a culpa por algo ter dado errado, pode não ser sua, mas a responsabilidade é.

Smart Talk x Smart Action

Muitas vezes acreditamos que os melhores executivos são aqueles com a melhor oratória, que possuem excelentes skills de comunicação e parecem sempre muito seguros do que estão falando. Apesar de ser uma característica importante, não é garantia de excelência profissional. Em muitos casos uma excelente apresentação esconde gaps de performance importantes. A ação é muito mais necessária do que o discurso. Portanto, cuide bem de ambos os atributos, mas sempre prefira a execução. Afinal, você prefere ser o cara que fala ou o cara que faz?

Hubris

A vaidade pode tomar conta mais rápido do que imagina, afinal, agora você é um executivo. Bom… grande coisa, você ainda tem muito o que conquistar e o que aprender. Mantenha-se atento às oportunidades, garanta o desenvolvimento contínuo e não se esconda atrás de um título. Você ainda é um aprendiz, seja lá onde tenha chegado, e logo vai perceber que depende cada vez mais dos outros. Ética e humildade nunca saem de moda.

Pragmatismo

Por falar em ética, a dinâmica dos negócios exige que você fique cada vez mais objetivo. Isso é ótimo! Você corta o que não é necessário e foca no que é essencial. Por outro lado, pode acabar se tornando alguém frio, agressivo e até desleal. Lembre-se sempre que produtos e serviços são feitos por pessoas e para pessoas.

Diagnóstico

O nível de detalhes é muito maior, você dorme e acorda pensando em resultados. Mesmo assim, não tem uma resposta satisfatória para seu chefe, quando ele te questiona no meio da tarde de uma quarta-feira qualquer. Portanto, entenda todos aqueles números de uma vez por todas. Enquanto eles te confundirem em vez de esclarecer as coisas, você não irá muito longe. Tome apenas o cuidado de não virar um burocrata, lembre-se que é a execução que traz resultados. Os negócios não acontecem no papel, planilhas ou gráficos, acontecem no mundo real.

Para concluir

Hoje percebo que a carreira executiva é muito mais complexa e exigente do que eu imaginava. Trata-se de uma batalha diária, cheia de obstáculos e noites mal dormidas, com muito mais pressão por resultados. Porém, tudo isso te empurra pra frente, cada passo dado, por menor que seja, tem sabor de vitória. E, como vimos, são vitórias pessoais, em que os adversários não são as dificuldades, a concorrência ou os outros. A batalha é travada, unicamente, contra você mesmo.

Quem leu esse post, acessou também:

One thought on “A Carreira Executiva e seu principal adversário”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *